CONFISSÃO

Publicado: 27/11/2010 em Poesias

Confesso que não me compadeço do pobre
Que não me preocupo com a criança abandonada
Que não dou esmolas
Que não me interessa o futuro do país
Que não me perturbo com a guerra
Que não pregarei a paz

Não ajudarei a viúva
Não dividirei o meu pão com o faminto
Não me indigno com a corrupção

Confesso que quero a burguesia
Que quero os melhores lugares nas reuniões
Que quero contribuir com a guerra
Que quero corromper os justos

Quero que o país afunde
Quero que a esperança acabe
Quero que a vida seja vazia…

(Prisma Paladino)

Anúncios

O MISERÁVEL QUE SOU

Publicado: 02/11/2010 em Poesias

Odeio os “políticos”, mas tornar-me-ei um dos tais
Odeio a imprensa, mas pretendo aparecer nos jornais
Odeio a burguesia, mas, em tornar-me burguês aplico minha inteligência
Odeio a miséria, mas trabalho para mantê-la – e isto faço com competência

Amo a paz, mas esforço-me para manter o mundo em guerra
Amo a caridade, mas espalho o desamor em qualquer canto da Terra
Amo a justiça, mas estou sempre disposto a praticar o seu oposto
Amo a vida, mas mato sem dificuldade aquele que contraria o meu gosto

Acredito na mudança, mas sempre deixo as coisas como estão
Acredito na luta, mas jamais entrarei em combate apenas por paixão
Acredito na religião, mas nunca me dedicarei nem a louvar, nem a rezar
Acredito na razão, mas sei que as respostas ela nunca me apresentará

Invejo o ignorante, mas detestaria estar no lugar dele
Invejo o justo, mas odiaria fazer justiça a este ou àquele
Invejo o manso, mas a ira me faz “viajar”
Invejo o crente, mas gosto tanto de duvidar

Sou poeta, mas não sei ler nem escrever
Sou orador, mas sempre adio o que tenho a dizer
Sou rico, sou pobre, sou pescador, sou banqueiro
Sou filho, sou pai, sou homem, sou mulher, sou brasileiro

(Prisma Paladino)

O SORRISO DE APOLINISIO

Publicado: 30/10/2010 em Poesias

Hoje um homem me pediu esmola,
E eu olhando em seus olhos sorri,
E ri como quem ri pela primeira vez,
E ri tanto que não parei mais…
E ri como quem ri de todos os miseráveis.
E as vezes quando estou triste,
Me lembro dele para sorri de novo.
-mas meu riso, meu amigo, não significa nada,
Foi só porque eu vi que a miséria(dos outos) é engraçada.

E. Apolinisio…

ENCONTREI JESUS HOJE

Publicado: 15/10/2010 em Poesias

Encontrei Jesus hoje

Ele estava sujo, barbudo e com os pés descalços.

Estava com raiva de Deus e dos anjos, mas

Estava profundamente feliz

Disse-me que Deus fez uma mesmice

E chamou-a de eternidade

E lhe deu a suplência de um cargo chamado trindade

Disse-me mais,

Disse que nunca cobiçara tal cargo e que aquilo não era coisa de gente

Muito menos de divindade

Antes morrer de novo na cruz

Do que trabalhar naquilo por toda a eternidade

Jesus me disse que os anjos são todos falsos

Que fingem ser obedientes, mas planejam tomar o trono

– Que Deus não vacile com eles

Perguntou-me se eu vira Maria Madalena – com quem perdeu sua virgindade

Se ela ainda estava sensual como antes

Se tinha deitado com outros homens depois dele

– Estamos no terceiro milênio – disse eu

– Ela não é desse tempo não

– Com certeza que já está morta faz tempo, mas tu podes ressuscitá-la

Jesus me disse que nunca havia possuído esse dom

Nem Deus sabia como ressuscitar mortos

– Mas tu estás ressurreto – contestei

– Porque tu achas que fui expulso do céu?

– Fui tirado de lá porque Deus está puto de inveja

– Ele sempre teve vontade de viver uma vida verdadeira, ou seja, de ser homem, de sentir a vida, o sangue correr na veia, o ar inflar seus pulmões, sentir o sabor de uma mulher…

– Mas têm medo de morrer – é o preço que se paga pra viver

– Então como tu ressuscitaste? – perguntei

– O acaso, que é maior do que Deus, me ressuscitou.

– E agora, que estou aqui de novo, quero aproveitar ainda mais o viver

– E não tenho a menor pretensão de ser crucificado – nunca tive tal intensão.

– Quero vinho, quero festa, quero mulheres, quero prazer, quero viver,

– Quero tomar banho no rio, quero tomar banho no mar, quero a luz do sol

– Quero ver, ouvir e falar, quero as coisas simples,

– Quero fazer inveja pra Deus e pra anjos!

– Quero ser feliz assim: sujo, barbudo e descalço.

– Porque andas sujo, barbudo e descaço?

– Porque eu sou livre! – disse Jesus.

(Prisma Paladino)

ENTUSIASMO

Publicado: 14/10/2010 em Poesias

Tu és filho do acaso,
Deus é uma besteira,
Aproveita a tua vida,
Que ela é passageira.

Não te prendas a loucura,
De não viver o momento,
Abraça cada conseqüência,
E não me venha com lamento.

Tudo te é permitido…
Então deixa a oração,
E comece a pensar…
De dentro do coração.

Abandona a razão,
Se não te faz feliz,
Confie em si mesmo,
seja aquele que bem diz.

Que bem diz a vida.
Que bem diz o mundo,
Mesmo sendo breve…
Mesmo sendo moribundo.

Bendiga a si mesmo,
Não tenha medo da vida,
Pois a lutar e vencer,
Ela sempre te convida…

Seja você acima de tudo,
Em todo e qualquer lugar,
E tenha pulso firme…
Para lutar e ganhar…

Lembre-se que vai morrer.
Que a morte se manifesta,
Tu vais te proibir a ti?…
Ou vais entrar nesta festa?

E. Apolinisio

A TENTAÇÃO DE APOLINISIO

Publicado: 09/10/2010 em Poesias

Encontrei um homem cheio de gloria e majestade,
Ele brilhava tanto que não o podia ver…
Mas lhe percebi alguma coisa,… (…)…
Algo como uma grande força, que se lhe atribuía.

Ele disse:
– eu sou aquele que sou, separo as águas,
faço cair pão do céu, ressuscito os mortos,
curo os doentes, em mim há três, em mim a perfeição…
por que não me segues?

Vi aquele homem com estranheza.
Eu o ignorei como se deve ignorar um louco.
Pois aquilo era só mais uma loucura…
E segui meu caminho, como se deve fazer…

E. Apolinisio…

QUE DESGRAÇA!

Publicado: 09/10/2010 em Poesias

Que desgraça! – Criaram Deus!

Que desgraça! -Inventou-se a tal da moral!

Que desgraça! -Destronaram Zeus!

Que desgraça! -Coroaram um cristianismo radical!
.
.
.
Que desgraça! -Mataram fetos!

Que desgraça! -Mataram recém-nascidos!

Que desgraça! -Pensaram-se certos!

Que desgraça! -Melhor seria que não tivessem existido!
.
.
.
Que desgraça! -Mataram Deus na cruz!

Que desgraça! -ainda maior desgraça: ele ressucitou!

Que desgraça! -Cristianizaram em nome de Jesus!

Que desgraça! -Inúmeros são os que este nome já matou!
.
.
.
Que desgraça! -Os deuses europeus ‘descobriram o Brasil’!

Que desgraça! – Estupraram a mente dos nativos!

Que desgraça! -Que os mandassem ‘pra puta que os pariu’!

Que desgraça! -Ainda hoje têm-se um povo passivo!
.
.
.
Que desgraça! -Vende-se milagre via arruda e sal!

Que desgraça! -Falaciosos hipócritas!

Que desgraça! -Torna-se cada vez mais universal!

Que desgraça! -Antes dever agiotas!
.
.
.
Que desgraça! -Ainda se vende céu!

Que desgraça! -Valorizam tanto o ilusório!

Que desgraça! -Acende a vela o fiel.

Que desgraça! -Pra salvar o parente do purgatório!
.
.
.
Que desgraça! -Vão todos morar com satã!

Que desgraça! -Queimem, malditos, no inferno!

Que desgraça! -Não haverá amanhã!

Que desgraça! -Até quando durará esse império?
.
.
.
Que desgraça! -Papa e padres ateus!

Que desgraça! -Desprezam sua própria criação!

Que desgraça! -Bando de saduceus e farizeus!

Que desgraça! -O Deus que não existe está em extinção!
.
.
.
(Prisma Paladino)